sábado, 17 de outubro de 2009

O xapuriense Jarbas Passarinho

Por Ednei Muniz*

Tido como “um híbrido fértil entre a caserna e a política”, o xapuriense Jarbas Passarinho nasceu 11 de janeiro de 1920. Ainda criança, aos três anos de idade, na época em que sua terra natal era o principal centro comercial do Acre transferiu-se com a família para a cidade Belém. Na adolescência, ingressou na Escola Preparatória de Cadetes de Porto Alegre.

Aos 20 anos idade, mudou-se para o Rio de Janeiro, tendo ingressado, logo em seguida, na Escola Militar de Realengo, chegando à patente de Major aos 33 anos. Em 1955, concluiu o curso da Escola de Comando do Estado-Maior do Exército.

Em seu retorno às origens, entre 1956 e 1957, foi estagiário, adjunto e chefe de seção do quartel-general do Comando Militar da Amazônia. No ano seguinte, foi nomeado superintendente-adjunto da Petrobrás na região amazônica. Em 1959 foi seu superintendente.

Dois anos após tornar-se tenente-coronel do Exército foi indicado por Castelo Branco para assumir o governo do Estado do Pará, em 1962. Quatro anos depois, já fora do governo, filiou-se à Arena – Aliança Renovadora Nacional - tornando-se, de imediato, Presidente de sua Seção paraense e também do diretório e da executiva nacional.

Em 1966 foi eleito senador pelos paraenses, sendo logo em seguida, após aceitar convite do Presidente Artur da Costa e Silva, transformado em Ministro do Trabalho, período em que passou para a reserva do Exército, com a patente de coronel.

Após a doença de Costa e Silva, em 1969, Jarbas Passarinho assume o Ministério da Educação. Durante a sua gestão, Passarinho realizou reformas importantes voltadas para a modernização dos ensinos fundamental, secundário e superior. Entre as principais realizações, a inversão na oferta do ensino secundário, que passou a ser 74% em escolas públicas contra 26% em escolas particulares; a implementação o regime de dedicação exclusiva para o corpo docente e o aumento da participação de investimentos na Educação de 2,4% para 4% do Orçamento da União.

Em 1974, volta para a casa onde seria transformado em um dos nomes mais importantes do Senado brasileiro em toda a sua História, sagrando-se seu Presidente em 1981, momento em que ajudou a conduzir democraticamente o processo de abertura, liderando articulações políticas para que o processo caminhasse da maneira menos traumática possível.

Em novembro de 1983, a convite do presidente João Figueiredo, volta a ser Ministro de Estado, agora da Previdência Social. Foi ainda Ministro da Justiça do Governo Fernando Collor, de 15 de outubro de 1990 a 02 de abril de 1992, quando retornou ao Senado, para concluir seu mandato em janeiro de 1995.

Admirador do filósofo italiano Norberto Bobbio, Jarbas Passarinho escreveu inúmeros livros e é considerado um dos maiores intelectuais do Brasil. Pelo menos 17 grandes universidades o concederam título de Doutor Honoris Causa.

Recentemente, ao receber, em cerimônia no Plenário do Senado, o diploma Professor Honoris Causa da Universidade do Legislativo Brasileiro (Unilegis), Jarbas Passarinho afirmou:

"Até o último suspiro da minha vida, terei a ambição de ver meu Brasil com uma sociedade solidária e fraterna, mesmo nas divergências, e não mais exportador de sobremesa e de grãos e minérios brutos". Para essa declaração, citou o poeta inglês T. S. Elliot - "velho é aquele que perdeu todas as ambições na vida, exceto querer desejar o que não pode mais desejar".

*Edinei Muniz é advogado e professor, nascido em Xapuri.

Um comentário:

  1. SIDNEY DE BRITO COSTA9 de janeiro de 2010 07:44

    Prezado Ricardo Bessa
    Meu nome é Sidney de Brito Costa, sou médico, atualmente radicado em São Paulo e, procurando enderêço de comunicação com o Ministro Jarbas Passarinho; que não encontrei, encontrei este seu BLOG. Procuro enderêço do Ministro porque queria agradecer-lhe, mesmo depois de tantos anos. Pois, se hoje sou médico devo àquele Ministro que, em uma época difícil, em 1972, em que estava sendo prejudicado por um General Médico, diretor da Faculdade de Medicina Souza Marques, no Rio de Janeiro, tive o apoio deste Homem, que sempre respeitei e respeito, para ter meu direito de estudante de medicina respeitado e ser reintegrado à Universidade.
    Infelizmente perdi o contato, mas ao vê-lo em um depoimento na TV Senado, ao final do ano passado, resolvi procurá-lo para agradecê-lo pelo que sou hoje.
    Meu nome está acima: SIDNEY DE BRITO COSTA
    END.: 0 XX 11 8292.8374 / Resed. 0 XX 11 2606.5945
    Aguardo uma ajuda para cahr o Ministro e poder falar-lhe pessoalmente.
    Antes de finalizar, que fique aqui registrado que também concordo em gênero, número e grau com todo o depoimento do Ministro à TV Senado. Aliás, os acontecimentos atuais são as maiores provas de tudo aquilo que Ele falou enaquele depoimento.
    Atenciosamente
    Sidney
    e-mail: sindeybritoc@click21.com.br

    ResponderExcluir